domingo, 18 de junho de 2017

Criança liberta




Queria ser criança liberta
Criança nascida do verde louro
Que grita aos sete ventos
E pula de pés descalços 
Sobre a terra árida deste terreno
Uma criança que não tem medo dos espinhos da flor
Celebra sua curiosidade
Andando entre os pântanos úmidos
À procura de novos territórios para construir suas fantasias
Nada de parquinhos
Ou brinquedos que pouco me exigem de 
Tato
Queria ser criança da terra
Crescendo em raízes férteis,
as verdes folhas e seus finos ramos
Florescer e brincar no amanhecer de um dia fresco
sem mais temer os ventos
sem mais temer as tempestades
nem as cicatrizes... 

G.MOON

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Prosa do dia 08/06/2017


Dias sem aula e sempre a mesma sensação de solidão, misturada às indagações  sobre o que eu devo fazer do meu futuro. Eu já estou tão acostumada, que quase não me deixo mais abater por estas coisas... Então, o que faço para aliviar? Escrevo ou fico a agir do modo mais objetivo o possível, mesmo que todas as dúvidas rondem a minha cabeça. Ou... simplesmente escuto música. Música que me acalma, me acalenta...  Como esta de Tame Impala, por exemplo... Banda que eu me viciei esses tempos.


Uma das coisas que mais ocupam meus pensamentos esses dias é... Será que fiz a escolha certa na universidade? Eu sempre gostei de Psicologia e qualquer coisa que envolva a subjetividade, a singularidade humana. Porém, quando me deparei ao curso, são tantas coisas diferentes... Tantas concepções diversas sobre o que é o ser humano, como ele se constitui, como ele vê e apreende o mundo... O que eu chego a pensar ser consequência dessa nossa diversidade mesmo de ser... Porém, sinto-me perdida em alguns momentos... Sem saber o que escolher, o que me identificar... É como um imenso banquete onde não sei do que me servir, tudo parece bom (quer dizer, nem tudo rsrs), com seus defeitos, mas imensas qualidades...
Ainda tem a questão de que eu não sei se darei conta. Ser psicólogo é muito complicado, de verdade. É incrível saber do outro, mas... Lidar com o sofrimento do outro, sem correr o risco de se envolver demais, bicho, é dureza. Mas eu não posso me desvencilhar para pensar agora... Tenho responsabilidades as quais não posso me abster :')

*******

Mas... mudando completamente de assunto... Aconteceu uma coisa muito chata comigo, que eu descobri ontem... Pesquisei uma fanfic minha (ainda em construção) no Google, e acabei descobrindo um serzinho que copiou minha sinopse, mudou o nome da protagonista e pôs em forma de vídeo... Sério, às 23:00 de ontem, senti que explodiria de raiva, mas antes de fazer qualquer besteira, postei em um grupo do facebook e várias pessoas me ajudaram a denunciar, mas não sei se o vídeo será excluído.
Eu amo tanto as minhas histórias e poesias... Faço no papel, passo para o computador.. Edito, reedito, leio e releio até acreditar que estou satisfeita e vem uma pessoa e copia meu texto sem o mínimo de respeito... Sei que foi apenas a sinopse, mas para pegar os capítulos restantes não faltou muito. Eu espero que consiga resolver isso, se não, vou ter de tomar outras providências ( ainda preciso ler sobre as denuncias no YT).

******

*Enfim... Apesar de tudo, estou tentando me manter mais calma. Não conto mais tanto com o tempo, mas tento meditar a prudência... E o meu ritmo. Acho que é isso... Se será bom ou não... Não sei :)

G.MOON

quarta-feira, 7 de junho de 2017

A flor e sua juventude



Em um canteiro qualquer
Havia uma flor
Exalando seu perfume graciosamente
Em júbilo da mocidade
Tão vermelha quanto a areia que a assenta
Tão solitária quanto os beija-flores que passavam por ela

Mas ela era uma flor diferente das outras
Esse seu cheiro
Seu encanto de juventude
Nada lhe trazia:
Nem um olhar
Nem uma doce palavra sequer

Passam-se as estações
O frescor do Verão
A frieza tímida do Outono
A glória e as cores da Primavera
E sempre parece um intenso Inverno para ela

Onde fica acolhida
Fechada
Inebriada em seu próprio cheiro
Encostada em seu solitário canteiro 

G.MOON

segunda-feira, 29 de maio de 2017

meio a meio



Nunca tive cara de nova,
muito menos de mais velha,
sempre um meio a meio...
Ou uma normalidade insossa.
Minhas palavras nunca foram tão maduras,
nem muito frescas,
eu sempre estive a deriva,
ora em mares mais rasos,
ora um pouco mais fundo...
Procurando os sentidos que se afundaram.
Nunca tive muitos amigos,
nem poucos amigos,
sempre um ou dois, talvez três
que permanecerão
que permanecem ou,
simplesmente
se perdem em seus próprios caminhos...
Eu nunca tive muito amor,
nem poucos amores,
meu coração sempre encontrou
um equilíbrio que nunca existiu,
transitando entre
a mania,
a melancolia..
Ou o egoísmo distante.
As paixões..
Nem tamanhas,
nem pequenas.
Uma dose sem expressão,
 um ardor que pouco fez efeito.
O calor que não se afogueou:
Apagou-se antes que eu soubesse que existia.

Eu sempre fui um para lá e um pouco de cá.
Esse meio a meio vem incomodando,
vem se preenchendo de um excesso invisível,
que pode se tornar um nada gritante.

G.MOON

sábado, 27 de maio de 2017

Opacidade




Sempre estive entre as luzes,
Procurando por mistérios
E contendas que nunca foram minhas
Os corredores,
Antes iluminados por raios de luzes brancas
Hoje sobram apenas as frestas
Os mínimos filetes
Que me permitem saber das tuas passagens
Sem muita nitidez
Em pontos turvos, incertos
E muito afinco... Angústia.
Nunca pensei que um dia
Pudesse dizer:
Não há nada mais aqui
Não há mais passo dado, nem expectativa
Amor ou sequer ódio
Há apenas o opaco
O indiferente
O sem vigor
O meu caminho é difícil demais?
A minha estrada parece tão cheia de obstáculos, assim?
Parece, para você?
Eu juro tentar, juro que tentei te ajudar
Mas teu ardor nunca se integrou a mim
Os sorrisos e a doçura (fingida, talvez?) nunca foram para mim
Estarão sempre do lado de lá
Onde não estou
E nunca estarei
Trato de andar pelos mesmos corredores
Sozinha
Estranhando-te em demasia
Mas eu juro que quando a caminhada terminar
Essa tua memória sempre vai permanecer

Por mais que eu lute para me libertar


G.MOON

Eu



Certos momentos eu me pego pensando e quando percebo, algo desesperador.. Angustiante, lampeja em minha consciência: É somente eu, eu e eu. Sou eu quem me construo, sou eu quem me conduzo, somente eu quem me entende, de verdade. Os outros são os outros, perdidos em suas próprias couraças, guardados a sete chaves (na maneira mais clichê de se dizer) em seus próprios segredos.

Nada mais há de acontecer nesse mundo, senão encontros de fortalezas... Encontros de segredos. E não há nada mais bonito do que isto.

Se você me permite passar: Está tudo bem. Se não, teu espaço é teu culto e tua morada mais bonita: Tudo bem, também.

-G.MOON

quinta-feira, 25 de maio de 2017

prosa do dia 25/05/2017



Eu percebi que nestas ultimas semanas eu tenho produzindo menos poesias e me concentrado mais em minhas fics.. Infelizmente, acabei me afastando um pouco do blog por conta de uma problema familiar e, agora, estou canalizando energias para produzir minhas historias.. Porém, acho que há algo mais que tem me deixado um pouco longe daqui: O fato de que eu tenho refletido os meus pensamentos, os meus sentimentos e pouco estou conseguindo imprimir em papel. Tudo fica perambulando em minha cabeça e quando pego o papel as palavras são insossas e sem muita vida. 
Esses tempos eu tenho descoberto algumas coisas... Umas ruins outras medianas... Amizades que na verdade nunca foram amizades; uma nova forma de lidar com algumas situações... O controle da raiva, outros manejos... Teorias que têm feito sentido em muita coisa.
Uma felicidade estranha aqui dentro, que tem se alimentado destas descobertas também esquisitas.
Pode ser que eu esteja tão inundada, de tantas coisas diferentes, que fique difícil de tecer as palavras... As teias se desfazem, descolorem, talvez ganham o real? Não sei...
Continuo estudando (apesar de todos os problemas que surgem naquela universidade), inventando um futuro que ninguém consegue prever, mas minhas válvulas de escape sempre me ajudam a enfrentar o real. 
Não gosto de passar muito tempo longe daqui, mas por enquanto é isto... Talvez estes afetos ganhem algum sentindo... Algum momento, talvez. Moon está descansando esses dias.


G.MOON

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...