quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

#Ato de amor


Hoje me convidaram sair, rir, ver o mundo e se "divertir". Porém, minha resposta foi um seco "Não".  
"Ah, mas, você nunca sai.".
Sair?Pra quê? Eu prefiro ir escrever. Escrever para me movimentar. Para libertar o meu eu. Louco, chato e egoísta. Minha alegria de toda a solidão, essa bela e insistente companheira. Preciso dela, cada vez mais, para me trazer os piores monstros, e forja-los em palavras. 

Escrever é um ato de amor. É um tapa na sua própria face. Deixar tudo sair, fluir, sem ter medo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Linguagem do corpo

Os olhos voltados pra cima A boca seca Os lábios trêmulos  Os dedos que se fecham Meu corpo denuncia O que a palavra não r...