quarta-feira, 2 de julho de 2014

- "Das minhas cinzas, do pó, eu retornei..."












Das minhas cinzas, do pó. Eu retornei. Das costuras mal curadas, dos longos suspiros. Estou na ponta, margeando a glória. Estou sorrindo. Sorriem meus olhos, meus lábios, todo o meu corpo. Transborda. Do pó, eu retornei. Meus pés estão acima do azul, celeste azul. Não sou daqui, vim de qualquer lugar. Estou em todos os lugares. Infectando-os com minhas alegrias, com meu eu; ser sem destino. Agora, posso ter o que eu quiser; ser o que quiser. Não mais tuas palavras me condenam,afetam-me ou traem meus sentidos. Não estou mais todo a ouvidos. Do pó, eu revivi. Meus caminhos eram perversos. Queimei-me em meio os sortilégios daqueles que me castigavam. Mas, hoje eles se curvam; se curvam a minha coragem, admiração. Entretanto, eu os rejeito. Pois, eu ganhei novos olhos, novos sentidos, maior graça que poderia ter.
Das minhas cinzas, do pó, eu sempre regressarei.
A força sempre esteve escondida em algum lugar. Detentora de um poder infinito, que nos preservam durante toda nossa jornada. Capaz até de ultrapassar os piores inimigos. A força, a vontade, a necessidade de viver. 

----- x -----
Daqui a pouco o blog vai completar um ano... Quando comecei, não sabia muito bem o que postar, mas, com o passar dos dias, alguns fatos da minha vida, deixaram-me com vontade de escrever... escrever... Apenas para poder desabafar... E, aqui, foi o melhor lugar que encontrei para me refugiar... :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...