domingo, 5 de outubro de 2014

- Inferno



Quero construir inferno dentre as ruas
colocar o meu capuz preto
e misturar-me em em meio a soturnas esquinas
encontrar os rostos de vidas desmontadas
- Espelhos meus
não tenho medo de enfrentá-los.
o ar frio de todas as vias
choca-se com minha alma fervorosa
que estranha a colisão de sentimentos sutis,
os quais tentam barrar os mais inconfessos desejos.
quero criar inferno dentre as ruas
rir das sensações mais desatinas
soltar-me nas palavras ávidas
de loucura, façanhas,
proezas que eu jamais ousei encontrar.
Não mais escondo meus rostos
não mais estranho meus anseios
quero criar inferno nos meus caminhos
e perder-me dentre as almas
Que gritam por vida
Sem nenhum receio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...