segunda-feira, 20 de outubro de 2014

- Poente




Era só mais um,
- mais um raiar de sol. 

E, teus cabelos negros,
teu olhar dissimulado,
teu cheiro inexprimível, 
- não mais estariam aqui.

Senti tua silhueta sumir, 
preservei meus olhos fechados,
pois não mais queria aqueles 
 - últimos segundos.

Não saberia como reagir
tua voz não mais reviveria
aquela vida de cinzas
- deixei o tempo me consumir

E o tempo , com pressa, 
exauriu minhas lágrimas
meus olhos, fatigaram-se.
- assim como minha alma.

O sol já se foi
-  e, junto, foi-se meu amor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...