sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Black & White with Cats




Gatos são extremamente ariscos, inteligentes, amorosos, independentes, mas muito companheiros. Muitas pessoas espalham totalmente o contrário sobre os bichanos, dizem que são traiçoeiros, indiferentes e que não amam o dono. Porém, essas pessoas não os conhecem e nem se permitem conhece-los. Por isso, espalham essas besteiras sobre eles. Não sabem o que perdem. 



 Há n lições que nós podemos tirar do comportamento desses bichanos. Silenciosos, gatos são pacientes e sempre guardam suas energias, para usá-las na hora correta. Sabem respeitar o espaço do outro e gostam que respeitem seu espaço. Ponderam antes de agir e sabem se portar diante da escuridão. 

Esses felinos da espécie Felis Silvestris Catus são animais que têm maior respeito pelo seu corpo. Sempre se mantêm limpos e não hesitam em morder ou arranhar quem ousa tocar em locais que eles não gostam. Gostam de ter atenção, mas sempre no momento certo, nunca perturbe um gatinho em seu momento de descanso.

A independência deles é o fator que mais me encanta.Gatos não se humilham, não imploram para que os amem, isso faz parte também do seu amor pelo seu ser. É seu instinto. Eles sabem quem os amam de verdade, e retribuem todo carinho depositado neles. Ah! E como são discretos! Mas, seus gestos são únicos. Balançar devagarinho a ponta da cauda, a aspereza da sua língua na pele, deixar seu cheiro em quem ama - ele quer dizer que VOCÊ tem um dono; acordar todo dia 5:30 da manhã;são apenas algumas das lindas formas deles manifestarem seu carinho! 

SE tem um aproveite, são essas coisas mais pequenas, que nos proporcionam alegria e satisfação. Feliz é quem conhece o encanto e poder desses felinos! 


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Planície escura




O que sairá dessa natureza enterrada?
De onde sairão as flores que eu semeei,
E reguei com amor,
Da maneira mais singela e cuidadosa que pude?
Quando sairá de mim,
O suor dos meus negros olhos
Que encaram esta planície escura
- e esperam por verdes louros?
Senti que poderia ter o mais belo paraíso,
Exalando perfumes que me acalentariam
Nos dias mais cinzentos
Porém, a planície continua a mesma.
Será que não foi amor o suficiente?
Ou, será que escolhi as sementes estragadas?
Talvez o tempo não quis me ajudar...
Sei que a primavera pode um dia chegar,
Espero até lá, conseguir,
Esperar por todas as flores que eu semeei
E poder abraça-las, senti-las
Com todo o carinho guardado
Ainda nos meus mais puros sonhos;




Tudo tão frio... Vazio... Escuro. Estou retornando ao meu estado de antes?
A foto de capa já foi postada qui antes, acho que no ano passado... Porém, acho ela tão linda, mas tão linda, que preciso postá-la novamente.



domingo, 23 de novembro de 2014

Acorde, viva, sonhe.



Acorda, meu amor
o dia já clareou,
E, o azul do céu já está de volta
Sorria, meu menino
Aquele sorriso bonito
Largo - de tamanha felicidade
Merece ter mais alguma chance
Esculpido, nesse teu belo rosto
Eu, aquele que mais te quer bem
Não mais quer te ver
Sentado na janela,
Com o olhar sobre o horizonte
Procurando por ares
Que eu não sei o que é
Nem mesmo você sabe
O que pode ser.
Menino, esse lugar
Está sob ruínas.
O que mais pode esperar?
O que mais pode querer?
Tudo desaparece, em tons claros
E cinzas.
Tua alma está em agonia
Presa por cordões atados
Aqueles nós que te impedem dizer:
"Adeus, meu nome está gravado
Em outro lugar"
Teus olhos brilhariam
E, teus sonhos
Deixariam de zunir
no fundo do teu peito;

Sei lá... To ficando sem muita criatividade esses dias... 
 

terça-feira, 18 de novembro de 2014

- 2015, Ano das minhas Incertezas...


  Final de Ano, cansaço psicológico chegando e vestibulares na porta.... O que será de mim ano que vem? Sabe, todo ano eu sabia qual rotina eu teria. Escola, casa, estudo, trabalhos, colegas irritantes, alguns amigos para me divertir na escola... Mas, tudo está acabando... E, 2015, para mim, é um ano cheio de incertezas. Não tenho muita fé que passarei no vestibular agora, já que não me preparei o suficiente este ano. Foram tantos trabalhos, unidades apertadas, testes e atividades emperradas umas nas outras (consequência da greve de professores de 2012 - ainda!- ) que tempo para descansar a mente pra mim era sempre uma glória. Percebi que preciso ter mais pique, por que na universidade ou no trabalho será assim constantemente. 
  Já estou passada em todas matérias, graças a todo meu esforço esse ano, mas às vezes paro e penso: E se eu não conseguir um emprego? Será que conseguirei fazer um cursinho? E o vestibular, se eu tentar, tentar e nunca chegar lá?. Meu pessimismo ajuda ainda mais nas dúvidas comuns de adolescente e me deixam ainda mais confusa, e meio que... Assustada. Parece que às vezes não tenho muita fé em mim mesma, pois tenho medo de muitas coisas. Não saber reagir a obstáculos, ver outros colegas se realizando e ser deixada para trás, não saber lidar com as pessoas que passarão pelo meu caminho e por aí vai... 
  Esses dias fiz um trabalho chamado "Projeto de Vida", para a matéria de Sociologia. Senti muita dificuldade de escrever sobre mim no trabalho, mas com algum esforço conseguir escrever algumas palavras... Botei meus desejos, metas, objetivos.. Tudo muito bonitinho, não sei se bem elaborado, mas... Será que eu realmente conseguirei realizar tudo isso? Será que eu saberei andar com minhas próprias pernas? Acho que é esse o ponto central. Não adianta ler tantas mensagens no facebook de luta, superação e bravura. Quase nada me cativa. Às vezes pareço tão vazia, que me sinto cada vez menor... Diminuindo, diminuindo... Até que, Putz...
  Ano que vem vou completar 18 anos, sempre ouvi de minha família que sempre fui uma menina muito madura, até acreditei nisso, mas, hoje não penso mais tanto assim. Tenho que libertar de certas "correntes" antes de amadurecer. Preciso encontrar os primeiros passos, traçar os meus VERDADEIROS objetivos com mais cautela...E, claro, tentar um ser um pouco mais otimista. Será difícil, mas... Pode ser que eu consiga. Na verdade, isso já deveria estar planejado... 



Nota: Até agora não estou entendendo a capa do post (putz, mas não foi você que escolheu?), acho que é por que eu estou tentando shippar cada vez mais MakoHaru e, realmente, está dando certo. Nunca mais falei de Yaoi aqui... Vou tentar arrumar algum post, só para não perder o costume.




Poema dedicado aos nobres de espírito


Certos espíritos
São tão admiráveis
Que chegam como,
Resplandecer de vida.
Certos seres,
São tão felizes em sua essência
Que cheiram como aroma
De rosas de douradas.
Auras que alegram as horas
Dos mais infelizes dias.
Nunca os deixem ir,
Ou se quebrar em pequenos
Em cubículos pedaços cristalinos
Não se sabe por que ou como
Os caminhos tão incertos
Cruzam-se.
Mas, certos tesouros
São tão valiosos que,
Nem os deuses mais piedosos
Poderiam nos perdoar
Se, por um infortúnio,
Perdêssemos a graça
E imponência
Dessas nobres criaturas.



Esses tempos estou ocupada com o final da unidade.. Está tudo muito apertado e, realmente, postar está bem difícil....
Esse poema, fiz depois de algumas situações que passei esses dias... Certas pessoas merecem tudo, outras,... prefiro nem comentar;





quarta-feira, 12 de novembro de 2014

- Insurgir




Surgi sobre as luzes vermelhas,
Como os últimos raios,
das tardes de verão.
O fim de tudo,
Aparecia-me como preludio,
do inicio, no berço.
Desapareciam as chamas,
Caiam os disfarces,
e Eu, crescia das cinzas.
Agora, pareço tão quente
Quanto as chamas,
Que trouxeram-me de volta.
Tão brilhante,
Crepitando em tons azuis
Um caminho de lumes cintilantes.



sábado, 8 de novembro de 2014

- Yellow Flicker Beat - Lorde


"Eu sou uma princesa lapidada do mármore

Mais suave que uma tempestade
E as cicatrizes que marcam meu corpo
São prateadas e douradas
Meu sangue é uma enchente
De rubis, pedras preciosas
Elas mantém minhas veias quentes
O fogo encontrou um lar em mim"


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

- Sussuros dos anjos



Não um anjo só. Variadas cores, amores, sentimentos, dores. Vários passam por mim, vários depositam seus sonhos, cochicham-me seus maiores segredos, suas paixões. Conheço todos, não os vejo em lugar nenhum. Não sei por onde andam, pois suas passagens são tão curtas, que nem ao menos restam algumas pegadas para eu recordar. Meus anjos estão por aí, vivendo, amando, às vezes indo e voltando, mas em instantes, segundos, que nunca pude sequer -ver seus belos e amados rostos. Não sei se querem que seus segredos sejam desvelados, nem se suas experiências transmutem-se  em palavras, porém, assim o faço, quando percebo suas auras me rodearem. Não esqueço de suas palavras - doces, tristes, carregadas de vibrações que ouso me apossar. Encontro-os, dentro de minha alma, esvaindo em todos os poros. Escoando em meus dedos.

Como não posso andar por muitas léguas [covarde eu, que se encolhe em seus medos], escuto suas preces, protejo seus segredos e traduzo suas manias - assim, não me traz medo, não me acanho, pelo contrário, é o prazer que me mais me domina. Queria poder saber mais sobre eles, ou, simplesmente, poder desenvolver mais de seus mundos, mas, eles reconhecem que não posso saber demais, seus mistérios são grandes demais para mim.  Sou tão pequenino, um miúdo perdido em uma ilha repleta de deuses, e, sou tão frágil que me acomodo e me limito a apenas escrever algumas linhas. Apenas o que me é oferecido. Bebo, deleito-me e me satisfaço. Assim, continuo vivendo e ouvindo todos eles.

Talvez, eu possa aprender algo com eles. Há tantas coisas nesses paraísos que eles sempre oferecem a meus sentidos. Queria poder estar sobre essas nuvens. Ter essas asas assim como eles, poder voar e experimentar tudo que eles me sussurram. Apenas escuto suas doces vozes. Vozes que me encantam e misturam-se a inconfessos desejos presos aqui dentro. Todas as linhas que escrevo, identificam-se com algo, aqui dentro.  Bem que eu poderia ser um deles ou, talvez, eu seja um deles, mas uma criatura que jamais quis se revelar.]


*Nota: E por que será voltei para os anjos? Não sei, acho que senti um pouco de saudade.... :3


- Apatia



Por onde tudo passou, hoje jaz os nossos segredos
Um homem, uma voz - um vazio, o frio
Não me lembro mais o dia em que pude sentir
Não me lembro mais das noites a fio
Assemelham-se mais a borrões
Em flash's, em segundos - que se esvaíram.
O corpo, o toque, o cheiro.
O vento carrega as únicas migalhas
De tudo que ainda resistia,
Aqui dentro.
Você não se mexe
Seu olhar, desvela o martírio
Enterra-se em pequenos pingos d'água
Nunca chegarão a mim.
Suplica-me, deseja-me.
Guarde em você, tudo o que quiser
A milhas de distância, desatarei a linha vermelha
As memórias vão permanecer entre os ares
Mas, jamais espere,
Que eles retornem a mim.


Antes ele que lutava contra o des-amor. Hoje, ele o faz.





domingo, 2 de novembro de 2014

Verdade - Carlos Drummond de Andrade



Verdade
"A porta da verdade estava aberta, mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.
Assim não era possível atingir toda a verdade, porque a meia pessoa que entrava só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.
Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades diferentes uma da outra.
Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada um optou conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia."

(Carlos Drummond de Andrade)

sábado, 1 de novembro de 2014

Sonhos.



O dia parecia tão claro,
As nuvens confundiam meu sentidos
Tanto que eu alcancei,
As formas mais perfeitas.
Meu corpo se erguia no alto,
Alto e leve sonho [sono]
Morro de sonhos.
Pés descalços,
Corpo sobre as pedras
Nunca pensei que,
O escuro parecia tão raso.
O azul do céu desapareceu,
No horizonte,
Cada vez mais longe
minhas mãos,
Não mais alcançavam as nuvens.
Acordo.
E o céus agora parecem tão cinzas,
E, suas formas nunca estiveram
Tão imperfeitas.




Linguagem do corpo

Os olhos voltados pra cima A boca seca Os lábios trêmulos  Os dedos que se fecham Meu corpo denuncia O que a palavra não r...