terça-feira, 18 de novembro de 2014

Poema dedicado aos nobres de espírito


Certos espíritos
São tão admiráveis
Que chegam como,
Resplandecer de vida.
Certos seres,
São tão felizes em sua essência
Que cheiram como aroma
De rosas de douradas.
Auras que alegram as horas
Dos mais infelizes dias.
Nunca os deixem ir,
Ou se quebrar em pequenos
Em cubículos pedaços cristalinos
Não se sabe por que ou como
Os caminhos tão incertos
Cruzam-se.
Mas, certos tesouros
São tão valiosos que,
Nem os deuses mais piedosos
Poderiam nos perdoar
Se, por um infortúnio,
Perdêssemos a graça
E imponência
Dessas nobres criaturas.



Esses tempos estou ocupada com o final da unidade.. Está tudo muito apertado e, realmente, postar está bem difícil....
Esse poema, fiz depois de algumas situações que passei esses dias... Certas pessoas merecem tudo, outras,... prefiro nem comentar;





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Linguagem do corpo

Os olhos voltados pra cima A boca seca Os lábios trêmulos  Os dedos que se fecham Meu corpo denuncia O que a palavra não r...