segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

"A sina dos vivos?"


Os corvos apareceram sobre os montes
E, uma nuvem negra cobria meus pensamentos
Os olhos se fechavam em processo lento.
Enrijecido, o corpo não mais se movia
Pensei, conformado:
"Perecerei, essa é a sina dos vivos...
Nasci cresci, vivi, sempre pronto para o fim..."

Frio, como uma pedra de mármore,
Vi aquela Dona desconhecida,
Em sua capa escura, estender suas mãos.
Segui com ela, deixando para trás
Meu casulo rijo, a ser devorado pela terra.
As portas de repente se abriram,
Minha visão turva, tentava distinguir àquelas formas
Mas, o que eu via, eram apenas borrões
Que transmutaram-se no mais puro branco.
A Dona de capa escura desapareceu,
Deixando-me com sua bela voz a sussurrar:
"Acompanhe sua nova e verdadeira estrada..."
Meu corpo vibrou em espasmos de choques
De repente, retornei à escuridão.
Despertei sobre os montes, o casulo desparecera
Mas, minhas memórias,
Permaneceram presas à esta alma,
Prontas para serem reconstruídas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Just another day...

Oh, eu aceitaria umas duas ou três Ou outras maneiras de viver Mas hoje eu não vou ser tão dura comigo mesma Eu vou caminhar so...