segunda-feira, 30 de março de 2015

- até que o destino se encarregue de mim

É apenas sobre passar o dia inteiro perdido. Sobre pensamentos que se fecham e se abrem e encobrem-se de ciclos. O que realmente importa? Minha alma está presa aqui, mas não tem motivos para fugir! Pra quê fugir? Se não tenho para onde ir? 
A cabeça encostada na janela, se envereda em caminhos, enrosca-se em fios e conclui, enfim:
Não sei para quê estou aqui. 

Não tenho motivos. Não me sobram forças.
- Mas, Você tem o dom da VIDA! - eles diziam.

A vida finita, sempre repetida. Quem não conhece minha agonia, jamais poderá manifestar-se sobre. Teus olhos são encharcados de lapsos, os teus valores são resíduos dos outros. O teu significado? Onde está o teu significado? São apenas resíduos dos outros!

Procuro o meu, como caminhando em labirintos. Saídas, frestas, curvas! Estais louco, senhor?! Não tens para onde fugir!

Meu peito vai continuar aceso. Meus olhos vão continuar abertos.
Mesmo que ainda continue perdido.
Até que um dia, o destino se encarregue de uma vida sem sentido.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opacidade

Sempre estive entre as luzes, Procurando por mistérios E contendas que nunca foram minhas Os corredores, Antes iluminados p...