sexta-feira, 6 de março de 2015

- Círculos.

Imagem: night_maker by: destinyblue (DeviantART)

Eu poderia abrir os portões,
E fugir daqui
Poderia “pegar o caminho da rua”
E partir deste lugar
Mas, tudo me envolve
Sem ao menos perguntar como estou.
Minha memória está cada vez mais falha
Todas as dores – talvez – seriam
Uma chama branca, em minha mente
Mas, não tenho como medir
O que vem depois.
Queria que tudo fosse desigual
Uma luz, movendo-se ali
No possível fim – do meu horizonte
Mas, o destino se move ciclicamente e
Meus pensamentos sempre voltam ao mesmo ponto.
Não posso mais chorar
Os ventos esses – Ah! Vão-se e voltam,
Nunca serão os mesmos
Levem-me, eu peço – covardemente.
Entregaria tudo, sem sorrir, sem mais nada a pedir
Minhas pernas se movem, porém tudo se refaz.
As memórias, os medos, os amores
Voltam e me retraem.
Minhas pernas paralisam,
E as lágrimas, não se subjugam mais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O estranho

Todas as noites Uma névoa de letras E palavras soltas Entre nós e caminhos Feitos e desfeitos Debatem entre si E nesta pe...