domingo, 29 de março de 2015

O ser sem paixão


eu nunca estive entre as linhas do amor
nem tampouco nos abraços mais quentes,
nunca experimentei a dor de um adeus
as noites cantadas, os cheiros que se misturam
sentimentos estranhos, borboletas no estômago -
o que é tudo isso? meus olhos jamais teriam visto
talvez, os deuses tenham piedade de mim!
mas, instigam-me em saber quem é o ser apaixonado,
 e brincam:
"quem é esse que se atreve a descrever o amor?"
atormentam-me nos sonhos,
fazem-me imaginar os mais doidos amores
 e permitem-me buscar os sentidos,
que despertam meus piores temores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Chamam meu nome?

Entendo aquele olhar Chamam meu nome lá fora? Entendo aquele toque Chamam meu nome lá fora? Não há futuro para mim aqui dentro Não...