domingo, 8 de março de 2015

~ Somos todos iguais, mesmo que diferentes :D


Olha só eu vindo falar meus pensamentos doidos novamente... Ai, ai, não me contento só com poemas. Ah! o golden é pessoal, vou falar mesmo. :P

Esses dias eu estava fuçando meu Facebook - como todos os dias de tédio - quando me deparei com uma foto, de uma garota que será minha colega na universidade. Na imagem tinham vários livros, espalhados, a maioria deles de Nicholas Sparks e John Green ~ e alguns outros aleatórios, mas populares. Bom, na verdade são aqueles livros que quase todo mundo já leu ou já ouviu falar. Vendem como água e a maioria é drama/romântico. Olhando a cara dos livros, percebi que nenhum deles (nem mesmo 1) eu já tinha lido. Sério. E olha que eu gosto de ler viu, mas por pura falta de interesse (pois já vi milhares deles na Avon rs. ), nunca cheguei a pensar em comprar e ler.  Quando li os comentários na foto, "Nossa, só livro bom", fiquei pensando... Não querendo ser crítica demais, mas (já sendo ~)... Como é que todo mundo sempre gosta das mesmas coisas? Esse "todo mundo" estou a falar da "massa" de adolescentes e jovem-adultos. Os mesmos livros, as mesmas roupas, as mesmas músicas, mesmas séries.  (Um exemplo clássico que eu gosto de falar, é o cabelo. Gente, às vezes eu simplesmente fico perdida na rua, vendo um monte de meninas de cabelos loiros. E, o mais engraçado, é que quase sempre é o mesmo tom. Meio escuro contrastando com alguns toques claros de loiro, sei lá.) Claro que, cada um tem sua individualidade, porém, grande parte de nosso gosto é levado ao comum, popular. E, o mais engraçado de tudo isso, é que daqui há alguns anos, será esquecido e o "sucesso" será tomado por outros livros, autores, outras modas.
 Não que isso seja de todo ruim, mas é chato ficar limitado ao popular. Eu, às vezes, me sinto um pouco fora da caixa. Assisto animes, não gosto muito desse tipo de romances, sobre gosto musical prefiro nem citar... Sinto que às vezes não tenho muito o que conversar, meus gostos são meio "incomuns"... Por isso, às vezes me encaro meio só nas classes... E, na minha cidade, nunca encontro pessoas com mesmas preferências. Por exemplo, aqui na minha cidade ~ interior transformando-se em metrópole ~ só encontrei 1 pessoa que curte yaoi. Uma única pessoinha. E por um ENORME acaso. ~ Claro que, dentro dessas "tribos",  existem pessoas que querem ser "diferentes", mas acabam sendo cópias ambulantes de seu grupinho - e são irritantes aos extremos, falando apenas sobre aquilo que gostam e 'diminuindo' os outros que preferem o 'comum'. (Típico "sou otome, rockeira, especial, odeio funk e tenho cabelos coloridos" ~~) Mas, nunca é demais querer conhecer coisas diferentes, respirar outros ares. O mal é que, na grande maioria das vezes, as pessoas condenam os gostos diferentes, mas, whatever, são outros quinhentos. 
Nesse meu blog, eu exploro tanta coisa que é uma grande mistureba. Mas, também tenho gostos convergentes com os da maioria (amo pizza, lasanha, café ~), mas acho que sou aquele tipo de pessoa que percebe isso :p As coisas que eu mais gosto são bem incomuns, então, prefiro me esconder, ficar quietinha no meu canto quentinho curtindo minhas coisas, sem gritar para os nove mundos. Sabe, aqueles livros que eu vi, simplesmente não li porque não são do gênero que eu gosto, apesar de que eu me acho um pouco preconceituosa com romances (muitos são dramáticos demais) e com Nicholas Sparks (por conta dos filmes kkk) rsrs, mas se alguém me pedisse para ler e dar uma opinião sobre, eu o faria, sem problemas. Eu li o Primo Basílio odiando as partes melodramáticas Basílio x Luísa, mas amava a crítica e a trama realista da história, delicioso de ler. Ainda vou pegar "A culpa das estrelas" ou qualquer outra coisa do famigerado John Green e vou ler, no dia que eu tiver disposição para isso (y)

~ A imagem de capa do post, não tem nada a ver, mas eu quis postar pois acho bonitinha ♥




4 comentários:

  1. Eu acredito que devemos buscar nossa individualidade.
    A maioria dos autores que eu gosto, aqueles que eu amo de paixão, já morreram e não estão na moda, contudo, eu me permito experimentar o que os autores da moda tem a oferecer.
    Não li nenhum do John Green ainda, mas li A menina que roubava livros do Markus Kuzak. Confesso que me surpreendeu, achei bem interessante.
    Como tudo na vida, é bom ter um equilíbrio, não é?
    Então, eu me aventuro em ler autores que publicaram ou escreveram seus livros em 1947, aqueles autores que soam incrivelmente atuais mesmo sendo de outra época e leio o que é novo, porque todo livro oferece alguma coisa boa...
    O detalhe é que não leio autores novos para estar na moda, nem para me encaixar.
    Leio porque amo ler.
    Em algum momento fazer parte de uma tribo perde o sentido e só nos resta ser nós mesmos... Isso que é bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mel. Buscar a individualidade e ser você mesmo é um ideal muito bom, acho que todos deveriam entender. Por isso que eu digo que é ruim ficar preso somente ao que está na moda, acredito que deveríamos buscar e compreender as mais variadas formas de gostos e, assim, desenvolver nossa personalidade. Geralmente, as pessoas só seguem as modas para estar 'dentro' dos padrões e pelo medo de serem taxados de 'estranhos'.
      Eu já fui apaixonada pela saga Crepúsculo... Ainda tenho todos os livros aqui, inclusive extras. Lia um livro atrás do outro, por achar a história interessante ( e ser apaixonada pelo Edward rs). Adorava esses romances, porém, hoje esse gênero não me encanta mais... Fantasia, misturado com drama e romance... Por essas e outras experiências tenho uma falta de interesse em Nicholas Sparks e John Green...
      ah! A menina que roubava livros parece ser encantador, preciso comprar! (y)

      Beijo, obrigada pelo visita! :*

      Excluir
    2. Antigamente eu fazia questão de estar fora dos padrões, eu detestava tudo que estava na moda, chegava a ser um modo de preconceito.
      Com o tempo, passei a seguir meramente as tendências do meu coração, porque o ideal não é se encaixar na sociedade e nem esperar aceitação da sociedade, é buscar o nosso padrão que se encaixe na meta de felicidade.
      Sobre a saga Crepúsculo,são cinco livros... Correto?
      Eu li três deles e achei melhor que o filme.
      Engraçado que você citou no seu post sobre os livros que te na revista Avon, de vez enquanto aparece lá um livro que vale a pena... Foi lá que eu comprei A menina que roubava livros e achei barato! Na livraria custava tipo uns 42.00 e na Avon estava por 17.00! Quer dizer, vale a pena dar uma olhadinha sem com promisso. :)

      Excluir
    3. Eu prefiro entrar em meu mundo e me deixar levar pelo que gosto, mas escolhi ficar quietinha, para o pessoal não me dar palpite, acho que evita stress. Muitos não entendem, então é melhor me conter.
      Meu novo livro de contos de Poe eu comprei na Avon, milagre ter encontrado ele por lá, é bem raro rsrs. Como comecei a acompanhar Avon agora, tô comprando os mais difíceis de achar na revista primeiro (como esse do Poe ~ bem mais barato) e, como sempre vejo "A menina que roubava livros" vou deixar para comprar depois ^-^ Acho mais vantajoso.
      Crepúsculo tem os principais ( Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse, Amanhecer) e a história extra de Eclipse ( A breve segunda vida de Bree Turner ), estão todos guardados aqui. Em questão dos filmes, principalmente o livro Amanhecer é anos-luz melhor. É dividido em três partes e dá para ter um conhecimento mais profundo do Jacob, que é um personagem bem interessante. e

      Excluir

PERDÃO

Eu deveria pedir perdão A mim mesma. Pelas histórias inventadas Os sentimentos perdidos E as palavras mal explicadas Eu deveria p...