quinta-feira, 9 de abril de 2015

. falso












certa vez ouvi alguém dizer,
'esqueça de tudo, o tempo vai curar'
as tempestade se foram - e um alivio encheu meus olhos,
de esperança.
 mas, o que eu vi?
diga-me, diga-me, por quê?!
tudo continua no mesmo lugar
as costuras mal amarradas estão aqui
as mesmas mentiras,
os mesmos socorros,
os mesmos delírios!
se eu olho para trás, para as faces
até mesmo os avessos
dos meus versos.
estão para todos os lados,
para os mesmos lados,
para os mesmos,
falsos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

meio a meio

Nunca tive cara de nova, muito menos de mais velha, sempre um meio a meio... Ou uma normalidade insossa. Minhas palavras nunca ...