sábado, 2 de maio de 2015

- olhos de espelho


enquanto caminhava, taciturno
nas ruas escuras deste caminho,
vi muitos rostos, desnudos em mim,
- olhos de espelho.
procurei o desespero,
clamei-me impuro
indigno de ser o (meu ser)
chamei-os de loucos 
- chamei-me de louco 
e me fechei , em desesperança.
sem saber que os enxames da minha alma,
se desfaziam
 em desamor por mim mesmo.
quis matar-me
sofri em silêncio
mas discuti aqui dentro
os meus incontáveis segredos,
escondidos lá no fundo,
amados e desimpedidos
de qualquer reflexo,
de outro moribundo. 

____________



As aulas voltaram, porém há ameaças de uma greve na universidade....
Não sei como vai ficar a situação, só sei que não vou me formar mais em 2020 :(

3 comentários:

  1. Tenho lido seu livro, não com tanta regularidade quanto gostaria, mas... Sua história tem potencial, você tem boa escrita. No entanto, precisa ficar atenta a alguns detalhes gramaticais e formais (tais como: redundâncias, repetições e concordâncias). De resto, na minha modesta opinião, está se saindo muito bem, com destaque para a construção dos personagens!
    Posto o comentário aqui por não ser cadastrada no sítio em referência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito agradecida pelo alerta! Apesar de revisar os textos originais, cometo alguns errinhos... Porém, eu pretendo melhorar gradativamente... :D Muito obrigada pelo apoio, os elogios... Estou muito feliz! Abraço *-*

      Excluir
  2. Tenho lido seu livro, não com tanta regularidade quanto gostaria, mas... Sua história tem potencial, você tem boa escrita. No entanto, precisa ficar atenta a alguns detalhes gramaticais e formais (tais como: redundâncias, repetições e concordâncias). De resto, na minha modesta opinião, está se saindo muito bem, com destaque para a construção dos personagens!
    Posto o comentário aqui por não ser cadastrada no sítio em referência.

    ResponderExcluir

poesia e prosa para esvair

O toque O cheiro, a sensação Os nervos que se estressam Os sentimentos que sobem à minha cabeça É sempre igual Seja ...