terça-feira, 25 de agosto de 2015

.Dizeres!

 
Disseram-me que sou quieto...
Quase não abro a boca
meus lábios apenas soltam alguns filetes.
Disseram-me que escuto bem,
tenho firmeza, sou menino já adulto aos 17
e vou conseguir tudo desejado.
Já me senti grande e me alimentei destas gotas.
Era gostoso, parecia demasiado sincero.
Esforcei-me! Sim, sou assim. Passei, sorri.
E um brilho cego insurge em meus olhos!
É menino de ouro. Beleza!
Hoje, ainda sou ouvinte
Mas, rasgo palavras, mesmo que não queiram
(antes parecia tão fácil)
Já não tenho o mesmo sorriso de antes,
O brilho nos olhos já se apagaram
E eu não me arrependo disso.
Permaneço reservado,
Sem muito alarde, guardo alguns segredos.
As palavras de antes não me sustentam mais,
Não sou de ouro,
Nem tudo que desejo virá...
E talvez, ainda não seja adulto.
Tenho birras aqui dentro, deixem-me em paz!
Agora, sabem quem sou eu,
E eu, já me dito quem eu sou.

2 comentários:

Chamam meu nome?

Entendo aquele olhar Chamam meu nome lá fora? Entendo aquele toque Chamam meu nome lá fora? Não há futuro para mim aqui dentro Não...