terça-feira, 4 de agosto de 2015

Prosa do dia 04/08/2015



Sabe, quando você tem medo de algo e sabe que está muito próximo de acontecer?  Pois bem, é o que sinto nesse momento.
Disse há alguns dias que a greve acabaria, porém ainda estamos aqui, esperando o fim. Na quinta-feira, se o governo assinar o acordo com os professores, a greve acaba e eu sinto que isso vai acontecer. Porém, estou muito apreensiva com o pós-greve. Ontem à tarde fui na Assembleia do meu curso e tudo que ouvi foram problemas e polêmicas. Falei aqui que meu curso entrou em greve no mês de março e, salvo engano, só voltamos no final de abril... Entretanto, no inicio do mesmo mês de maio, os professores das quatro universidades estaduais entraram em greve e meu curso teve, aproximadamente, duas semanas de aula. Sim, não tivemos quase nenhum conteúdo, nem muito contato com os professores em sala, sem contar provas e trabalhos 'apresentados' ... Nenhum. Não tivemos chances. 
Meu curso tem problemas, a universidade está coberta de problemas e eu temo muito tudo isso. Também temo o retorno, se vamos conseguir prosseguir; se prosseguirmos, como vou lidar com tanta coisa em um tempo tão curto... Conteúdos despejados, trabalhos e provas aos trancos e barrancos, provavelmente, será um caos! Durante a greve, aproveitei os eventos, li alguns livros, adiantei duas atividades ( sim, somente duas atividades que conseguiram passar) porém, é difícil sem orientação. Alguns assuntos, por exemplo, não consegui entender e provavelmente, com a ajuda de um professor seria bem melhor. Agora, depois de tudo isso, não sei se vou aprender realmente...
No inicio do ano, eu projetei tantas, tantas coisas para 2015. É meu primeiro semestre na universidade... Passar no vestibular sempre é uma felicidade! Ainda mais eu, jurava que não passaria. Planejei fazer muito esforço, jogar-me de cabeça na universidade e crescer. Quando tivemos a semana de integração fiquei tão feliz, era o começo. Fui bem recebida, senti-me uma caloura importante, não um "bicho"...Mas, poucos dias depois recebemos a noticia da possível demissão de uma professora substituta e tudo começou. Sinceramente, senti que estava meio perdida. Participei de assembleias, assisti discussões sem entender muito e abstive-me de participar de várias coisas. Às vezes, até me arrependo de não ter participado de algumas atividades que aconteceram durante a greve, mas hoje já me acostumei com esse arrependimento. 
Talvez, semana que vem já terei aulas e até lá espero o desenrolar de tudo isso. Sei o quanto estou com medo, porém sei que preciso passar pelo momento, não estarei tão sozinha. Vou me esforçar, fazer o que eu puder... Se não conseguir, enfim... Pelo menos, tentei.

 

2 comentários:

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...