quinta-feira, 20 de agosto de 2015

prosa do dia 20/08/2015



Ontem aconteceu um fato bem interessante... E que eu adorei aproveitar. 
Há algum tempo ganhei coragem para mostrar a um amigo meu algumas poesias que construí. Claro, que não mandei muita coisa, umas cinco ou seis poesias no máximo, e foram poesias simples, não muito desnudas.. Porém, pra mim já foi um grande avanço. Conversamos bastante pelo whatsapp e desde que comecei a mostrar minhas criações para ele, passamos a falar mais sobre poesias e ele também me mostrou alguns de seus escritos. Porém, ontem aconteceu algo meio que... Inusitado. Ele me mandou uma frase, e eu o questionei se era de algum texto seu... E antes que me respondesse, mandei uma poesia minha. E, então, ele me responde explicando que era apenas uma frase... Disse que não tinha motivos para escrever textos e, de forma poética, descreveu os "porquês". E então, eu o respondi:
- Por isso mesmo, faça textos. Sobre cada dor, cada lágrima, por tudo e todos! Escreva! Em cada verso ponha sua raiva, seu amor... Ah! Pode ser uma cura! Veja bem, sinta, sinta o mundo mesmo que ele seja mal. Devolva tudo o que te mata.... Destrói. Por tudo.. Por todos, ou apenas pra você mesmo... Escreva!
Seguiu, dizendo que inspiramos um ao outro, para assim 'tapear' a tristeza. E, realmente, é bom para a alma. Mandou-me algo sobre viver, e busca da felicidade... E, então, retruquei:
- A felicidade... Essa eu acho que não existe! Não adianta procurar, ela não aparece em nenhum lugar! Quem sabe se o humano nasceu pra se acostumar a dor! Assim, para chegar à morte! Talvez, ela seja a detentora da tal felicidade. Sem sofrer, sem mais o mundo, só o estranho escuro. Você e sua alma.
Depois começamos a falar sobre existência da alma e a conversa fluiu para outros rumos... rsrsrs Bom, sei que não foi muito, até porque uma hora esgotaríamos. Mas, achei interessante refletir junto... Em uma conversa diferente do usual. Gostaria de ter mais espaço para conversar dessa forma com outras pessoas , assim como compartilhar o que escrevo a conhecidos também. Certa vez, uma pessoa muito próxima a mim descobriu alguns trechos e abriu a boca para o mundo... Fiquei tão triste, e senti raiva, muita raiva! Geralmente, não me sinto à vontade e, esse meu amigo, quando nos encontramos entre colegas, ele nem cita sobre as poesias, e eu adoro isso. Acho que ele me entende, e eu nunca pedi silêncio. No meu curso há alguns escritores, inclusive, pessoas da minha turma, porém não tenho proximidade e gosto de me manter discreta no mundo real. Minhas poesias falam muito, muito de mim. E aqui no blog elas têm uma casa, um esconderijo mais do que aberto...Pessoas próximas não o conhecem e, por minha conta, não saberão... 


Teoricamente, eu deveria ter aulas esta semana, mas as forças malignas que querem impedir os meus estudos agem novamente e estou aqui... Em casa. Surgiram problemas no transporte coletivo da cidade, e enfim... A frota não está em circulação;
Esse meu ano segue terrível, sinceramente. Isso reflete muito no que eu escrevo. Às vezes me sinto inútil, incapacitada. A todo momento surge um problema e parece algum tipo de testagem "Você vai sobreviver a isso tudo?" Tento reformular meus pensamentos, e encarar como uma forma de amadurecimento, porém é cabuloso. Estressa, cansa, aborrece demais! Às vezes dá vontade de desistir, mas tenho que me manter de pé, pelo menos por enquanto.  =/



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Momento difícil

Difícil perceber o momento em que não vê ninguém pra desabafar. Ninguém parece te compreender muito bem. Ninguém demanda teu tato ou te...