terça-feira, 10 de novembro de 2015

.relatos...



     Pode parecer triste o que vou dizer agora... Mas, é a mais pura verdade. Não sei dizer se o problema está em mim ou nas pessoas, não sei e, também, prefiro não definir isto. Quero apenas relatar algo que sempre acontece comigo e me incomoda tanto quanto eu me acomodo.

      Sempre fui alguém de poucos amigos. Na escola, tinha duas a três pessoas mais próximas e, às vezes, sentia-me sozinha, não sei por quê. Antes, não era muito de conversa – ainda sou, na verdade –, mas era muito mais retraída e mal sabia conversar direito. Já pensei em diversas possibilidades sobre a causa desta minha característica, entretanto, hoje  estou quase convicta que é a minha natureza mesmo... Enfim, voltando aos amigos. Ida e vindas, algumas pessoas sempre se vão, não é mesmo? Meus amiguinhos sempre eram da escola, pois de outros lugares só tive duas pessoas próximas. Uma me deixou quase que completamente e a outra é, ainda hoje, uma pessoa muito querida... Mas, no colégio, os anos passavam e eu sempre acabava perdendo contato com as pessoas... Na verdade, eu até tentava manter, mas chega um momento que não existe mais assunto e.... Então, acaba tudo. Isso acontece muito. Eu sei. Mas, comigo, parece que é um CERTO acontecer... Sempre me pego relembrando momentos bons, sorrisos, conversas... Ano passado, no meu último ano escolar, sempre dizíamos: “Nunca perderemos o contato!”; lembro-me como se fosse hoje! E então... O que temos? Cada um em seu canto, dizendo alguns “Oi’s” ou “Bom dia’s” de vez em quando e só. Perde o brilho. Olho fotografias de suas vidas atuais e fico pensando e se... Fôssemos amigos ainda? Talvez, não me pensasse tão sozinha, sem alguém para conversar ou trocar experiências. Não só para eu receber companhia, mas também compartilhar o pouco que tenho... Poder dar abraços quando precisam e....Enfim... Ser amiga mesmo.

        Já tive uma amizade muito bonita, de infância, mas vi se desmanchar bem sobre os meus olhos. Relatei isso milhares de vezes* aqui, mas... Hoje tenho novas perspectivas. Sofri muito quando vi uma amiga me excluir de sua vida e também senti muito quando descobri que ela descontava mágoas de outros fatores em mim. Nunca tinha feito nada de mal a ela, eu sabia disso. Mas, escrevi, chorei... E, depois, perdoei. Ela me pediu desculpas, mas nossa amizade não mais voltou à beleza de antes. Tentei conversar, voltar às nossas antigas histórias... Mas, depois de tantos problemas, ela se tornou outra pessoa e, eu não sei como alcançar este seu novo “eu”. Vejo-a algumas vezes, não sei o que dizer... Nem o que sentir.

       Hoje, na universidade, vejo pessoas alegres, cheias de energia e com muitas bagagens. Converso com uma pessoa que eu acredito ser próxima a mim, mas às vezes penso que ela não sente o mesmo. Ela parece distante e como se tivesse uma barreira... (parece um pouco comigo) Talvez seja impressão minha. Faço o que posso, não tento fingir ser o que não sou (como já tentei muitas vezes) e sinto-me sozinha muitas vezes... Já pus a culpa em mim por não ir aos bares que eles frequentam, não gostar de beber, rir muito pouco ou não saber “resenhar” ... Mas, agora... Acho que dever ser outra coisa... Ainda não descobri, vou analisar.

      Reflito muito sobre tudo isso, sempre foi um dos pontos mais marcantes de todos os meus “problemas”. Sinto-me tão desconfortável esses dias... Quando paro o tempo para mim, todos os meus monstrinhos vêm e atacam sem dó. Eles serão domados, eu sei. Posso sentar e conversar com eles, como faço agora. 
*esses link's são de postagens antigas... logo quando aconteceu isso. fiz outras postagens, mas essas mostram o inicio do que passei...
 

Um comentário:

  1. A quem se ama o amor de ninguém falta. A quem não, o de ninguém basta.
    GK

    ResponderExcluir

Criança liberta

Queria ser criança liberta Criança nascida do verde louro Que grita aos sete ventos E pula de pés descalços  Sobre a terra ...