sábado, 23 de abril de 2016

Gélido



Que as noites tão belas aconcheguem 
Estes versos tão amargos
Meu sangue frio, quase azul.
Escrevo, enquanto penso nestes meus dias
Tão a pena
Tão pouco vividos.
Estou rindo, cinicamente.
Entre eles, sempre
Mas nada veio a me avivar
Estou a procura de venenos
Mas meu coração é orgulhoso demais
Duro demais
As flechas o atingem
Quebraram-se em sua crosta frígida
Ele não mais sangra,
Parece tão forte


Desmorona pouco a pouco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O estranho

Todas as noites Uma névoa de letras E palavras soltas Entre nós e caminhos Feitos e desfeitos Debatem entre si E nesta pe...