sexta-feira, 29 de abril de 2016

Passagens






Canto, enquanto o tempo devora o mundo 
Estou em sua dança
 Em meus passos
Matando esses anseios,
Enquanto os ventos de maio se aproximam
Completarei anos
Serei mais velha e um pouco mais dura que já sou
Nada vem de imediato
E o tempo Passa raspando
Viaja,
Invisível
Leva tudo que deseja.
Daqui a poucos dias
Terei mais de 8, aproximando-se do 80
Tão pertinho dos vinte invernos
Cheio de cartas
Poesias
E nada de passados enlouquecedores
Mansa que sou...
Rígida... Sem tamanho punho.
Espero os anos
Os dias
Os minutos


Passarem, levando-me
Indiferente.




3 comentários:

  1. "... um pouco mais dura do que já sou"... Tanta leveza e fluidez no tempo, de si e das palavras, para dizer-se "rígida"...

    ResponderExcluir
  2. Moon traz esse avesso que há em mim.

    ResponderExcluir

desculpe, querida

desculpe, querida se minhas palavras são incontidas se meu toque te abomina se o meu sorriso e o meu corpo não são o suficient...