Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

Novo vício

Imagem
Simplesmente não consigo parar de escutar o album Currents do Tame Impala.  Comecei ontem e já viciei... Recomendo muito :) Estou atolada de provas e relatórios para fazer, além das leituras. A música está me aliviando nesses tempos... Saudades do blog. ♥



G.MOON

Ser de um só.

Imagem
Quando se nasce alma destinada a ser sozinha Deve-se aprender a assentar a solitude Os sorrisos e palavras ainda me consideram Mas todos se vão E nós continuamos aqui Os olhos presos ao infinito dos céus Sentindo e tomando para si o sentimento de Que nasceu para ser alma De um ser somente. Deve-se aprender a ouvir seus próprios sons Lutar e compreender suas emoções Juntar todos os horrores de si E dançar junto, Os braços bem unidos Aconchegando-se em um calor que só é seu. Meus braços já não podem fugir mais do outro As  minhas vibrações podem seguir as tuas Mas saibas que sou ser de um só Apesar de poder sentir  E adentrar em outro Saibas que há momentos que meu corpo pede a solidão Pois ele se constituiu assim E hoje não há mais o que fazer Os estímulos lá fora - a luz, Sugam-me por inteiro. Minha voz já esteve mais seca de chamar por alguém E, hoje,  eu sei que ela fora altiva demais Que feriu até mesmo aqui dentro Respeito esta solitude Respeito que fui feito para ser um só-somen…

Toques e vibrações

Imagem
Que abraços tão distantes se aproximem de mim Que meus dedos não se afastem Que meu corpo vibre Até suar, sem vergonha de seus odores Que toda energia se solte do meu corpo Respire e inspire, em toda capacidade desta carne E sinta todo gesto Toda maravilhosa sensação de estar perto do outro Sentir os toques as vibrações o despudor dos sentimentos Estudar cada um, cada toque, todo o meu corpo  em meu outro Um pouco
-G.MOON

prosa do dia 12/08/2016

Imagem
Eu pensava que todo o meu tempo eu poderia me dedicar à poetizar. Ledo engano. Queria respirar um pouco esses dias, por isso cheguei aqui. Sinto saudade do aconchego do meu blog, das palavras que saem sem precisar de muito e do tempo que tinha para trabalhar o que sinto. Está cada vez mais difícil... Eu sinto vontade, às vezes, de me desligar de tudo, mas não posso, definitivamente. Por mais que eu goste, certos momentos dá vontade de desistir ~ já considerei a possibilidade muitas vezes ~. Hoje, no caminho de volta para casa, lembrei-me da minha vida aqui. A G.Moon sugada pela rotina do real, finalmente conseguiu emergir, mas não se libertar... E ela não vai, infelizmente.  Agora eu realmente tive a ousadia de sair um pouco e liberar um pouco o ar.  Provavelmente por uns bons dias não poderei postar poesias... :/ 
Saudades :l

G.MOON

Magnetismo

Imagem
Estes teus sons tão articulados cruzam por meus poros Todo fio deste corpo finito  Perene Se eleva ao cálice divino Aquela voz que traz os piores delírios Em um orgasmo de sensações traiçoeiras, Que afogueiam este corpo, Sobre a fogueira dos deuses, azul  Como podes ser divino.? Inclina-se sobre meu corpo com esta tua voz Perturbando-me o sono Os pensamentos  Os passos trocados O olhar perdido Deixe este pobre corpo perecer surdo Mesmo que estes cantos me faltem Mesmo que o fio deste corpo se destrua A clamar por teu canto



Em nenhum momento eu desviei os olhos, nem desatentei os ouvidos. Não era preciso e, mesmo se quisesse, não conseguiria.  Era magnético. Extremamente desconcertante.  Aquele ser estava parado, falando palavras que talvez eu nunca entenda realmente o que significam. Mas aqueles sons - aquelas invisíveis ondas sonoras - como cânticos dos seres divinos mais insanos, se integraram ao meu corpo e, eu sei, tive vontade de gritar ali mesmo. Meu corpo não se cansou. Permane…

Caos

Imagem
Quando o mundo esteve bom? Diga-me, por favor,  quando o cosmos esteve em paz? Desde os primórdios Entre fogo e tempestades Eu te destruo, você me destrói  O mundo O universo Se deteriora. Digladiamos uns contra os outros Por causas ignóbeis  E por moedas sujas Nem os mais sonhadores julgam o futuro melhor Pois o mundo está em ciclos Imensos ciclos Este está entrando no fim E então... Enfrentamos os mesmos futuros.