segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ser de um só.



Quando se nasce alma destinada a ser sozinha
Deve-se aprender a assentar a solitude
Os sorrisos e palavras ainda me consideram
Mas todos se vão
E nós continuamos aqui
Os olhos presos ao infinito dos céus
Sentindo e tomando para si o sentimento de
Que nasceu para ser alma
De um ser somente.
Deve-se aprender a ouvir seus próprios sons
Lutar e compreender suas emoções
Juntar todos os horrores de si
E dançar junto,
Os braços bem unidos
Aconchegando-se em um calor que só é seu.
Meus braços já não podem fugir mais do outro
As  minhas vibrações podem seguir as tuas
Mas saibas que sou ser de um só
Apesar de poder sentir 
E adentrar em outro
Saibas que há momentos que meu corpo pede a solidão
Pois ele se constituiu assim
E hoje não há mais o que fazer
Os estímulos lá fora - a luz,
Sugam-me por inteiro.
Minha voz já esteve mais seca de chamar por alguém
E, hoje,  eu sei que ela fora altiva demais
Que feriu até mesmo aqui dentro
Respeito esta solitude
Respeito que fui feito para ser um só-somente.
E sigo, sentindo que ainda há muito que me compreender
E continuar a constituir este ser.


- G.MOON

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Linguagem do corpo

Os olhos voltados pra cima A boca seca Os lábios trêmulos  Os dedos que se fecham Meu corpo denuncia O que a palavra não r...