sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Contos do amanhã: Sonhos



Os sonhos sempre me expõem. Aquelas imagens turvas, confusas, que parecem não ter sentido algum.... Elas sim, me expõe sem dó. As noites sempre são tão turbulentas, meu corpo se retrai como se sentisse medo e todos os sentimentos mais aflitivos surgem para me corromper... Alguns momento eu acordo, ainda sentindo meu corpo voltar à realidade. E as imagens vão surgindo... Surgindo... Ressurgindo, aqui dentro e me perturbam.

Novamente... Novamente...
Toda noite.  Só que... há sempre um PORÉM. Eu aprendi  lidar com meus próprios sonhos. Não, eles não me dizem sobre o amanhã. Até porque sonhos não predizem o futuro. Mas, podem me conduzir a agir sobre mim mesma.
Rostos conhecidos. Ambientes distorcidos. Tarefas não cumpridas. Aquela angustiante sensação de realidade. Despindo-me como nunca me despi. Abrindo meus olhos, enquanto estes estão fechados... Para aqueles sentimentos guardados aqui dentro... Aquelas saudades que me atentam aqui dentro. E todos os meus piores impulsos... E como eles são maravilhosos!
O dia seguinte, sempre me parece outro. É como eu disse certa vez... "Eu me descubro mais do ontem
E é sensação mais maravilhosa do amanhã.

G.MOON

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O estranho

Todas as noites Uma névoa de letras E palavras soltas Entre nós e caminhos Feitos e desfeitos Debatem entre si E nesta pe...