sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Correria



Estou longe de todos os olhares possíveis
Eu corri para lá e para cá
Ninguém me olhou,
Ninguém me escutou,
Quiçá perceberam minha presença
Eu apenas vi todos passarem por mim
Rápidos, como fumaça que se espalha
Já anoitecia e minha vista falhava
De uma esquina a outra,
De um quarteirão a outro,
Senti-me em uma estranha sensação de abandono
Desinteresse? 
Desespero!
Assim que alguns olhos encontraram-se aos meus
Senti a indiferença... 
E não sei por que tanto a estranhei,
Já que ela tanto faz parte de mim,
Os assentos estavam vazios
E eu me vi ao meio,
Entrecortada entre o silêncio
E o estridente som das ruas
Chorando, enquanto observava o colorido das casas
Tão altas... Tão cheias de vidas:
Antes, antes de tudo
Eu gritei para que me vissem
Tão alto, tão alto, que implodiu
Voltou-se para dentro
Mas, agora, choro sozinha
Enquanto todos me olham
Mas não veem o que se desconstrói aqui dentro


G.MOON

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Momento difícil

Difícil perceber o momento em que não vê ninguém pra desabafar. Ninguém parece te compreender muito bem. Ninguém demanda teu tato ou te...