quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

As linhas soltas



Eu poderia escrever mil cartas sobre as dores que já enfrentei
Poderia escrever mil versos sobre todos os amores que eu quis viver
Poderia escrever mais de mil palavras sobre as felicidades que neguei a mim mesma
Poderia escrever mil poesias sobre os momentos que deixei passar por cima de mim
Mas,agora, eu sinto o corpo devagar, a se dissolver nas distorções do tempo

Sem se importar a mais nada:
Dores
Amores
Momentos
Felicidades
Nem futuros.

Então eu só sentei e escrevi
Escrevi sobre o que me veio à cabeça
Sem me importar sobre o que escrevia
a quem escrevia...
Sobre meus passos e meus cânticos
Sobre as pessoas e os sentimentos difusos que me rondam
Pois as folhas não encarceram mais nada
Não me basta a vida que me imputa estes fardos

As minhas linhas
devem correr soltas
sobre o tempo
o espaço
a alma
não importa onde ela esteja
ou como ela esteja

Parece ter sentido?
É o que talvez eu chame de liberdade.

-G.MOON

2 comentários:

Linguagem do corpo

Os olhos voltados pra cima A boca seca Os lábios trêmulos  Os dedos que se fecham Meu corpo denuncia O que a palavra não r...